Dia da Mulher

Por Jose Luiz Martino*

Uma herança perigosa

As lutas das mulheres foram das mais importantes do último século e ainda muito precisa ser conquistado até que vivamos num mundo igualitário. Mas é preciso estarmos atentos a uma herança terrível desse processo: Nos últimos 30, 40 anos – de carona na luta pela libertação e reivindicação da igualdade – houve uma disseminação de hábitos entre as mulheres que infelizmente coincidem com os principais agentes causadores de câncer. Veja abaixo a lista dos principais carcinógenos (ou seja, agentes ligados ao desenvolvimento de câncer no ser humano) em ordem de prevalência:
– Dieta em 35% dos casos (exemplos comuns: dieta rica em gorduras, índice de massa corpórea elevado, baixa ingestão de frutas e legumes etc)
– Tabaco 30% dos casos;
– Infecção (principalmente por vírus HIV, HPV etc) em 10% dos casos;
– Comportamento reprodutivo e sexual em 7% dos casos;
– Ocupação, profissão 4%;
– Álcool em 3% dos casos.
(fonte: UICC)

Fumar e beber eram maus hábitos exclusivamente masculinos que, muito longe de deverem ser disseminados entre as mulheres como um símbolo de sua luta, devem ser erradicados em ambos os sexos.

No entanto é preciso ter cuidado para não cometer o erro de considerar prejudiciais conquistas que, muito pelo contrário, foram responsáveis por quebra de tabus e aumento de pesquisas, como as conquistas das mulheres da sua liberdade sexual e direito à profissão (e através do direito à profissão, aumento da importância da mulher na sociedade).

Luta contra os tabus sexuais teve consequências positivas na saúde da mulher

O combate aos dois principais tipos de câncer entre as mulheres, por exemplo, não seria possível sem a conquista da liberdade sexual feminina.

Principais cânceres no sexo feminino por ordem de prevalência**:
1º – Mama;
2º – Colo uterino;
3º – Cólon e reto;
4º – Pulmão;
5º – Estômago.

Os cânceres mais prevalentes nas mulheres, o câncer de mama e de colo uterino são acessíveis ao exame físico. Dessa forma, são de diagnóstico muito fácil. Mas ambos se encontram em áreas sexuais, que até pouco tempo eram consideradas tabus e eram difíceis de examinar, não por questões de localização anatômica, mas por questões culturais. Esses obstáculos à saúde da mulher foram vencidos depois de muitos anos de luta. Hoje temos campanhas públicas de ampla divulgação e um enorme número de pesquisas que focam no combate aos cânceres mais comuns em mulheres.

Através dessas pesquisas se descobriu que um vírus que é inofensivo em indivíduos do sexo masculino é o grande causador de câncer de colo de útero. A infecção persistente por subtipos do papiloma virus humano (HPV) é responsável por cerca de 70% dos cânceres de colo uterino. A infecção por HPV é muito comum: em torno de 80% das mulheres sexualmente ativas irão adquiri-lo ao longo de suas vidas, mas na maioria das vezes essa infecção é transitória e regride espontaneamente entre seis meses e dois anos após a exposição. Num pequeno número dos casos, ligados aos subtipos 16 e 18, a infecção persiste e se torna crônica. Pode então desenvolver lesões precursoras do câncer cervical invasivo (câncer de colo de útero).

Esse câncer era combatido principalmente – assim como o câncer de mama – com o diagnóstico precoce, através do exame do toque e do exame papanicolau, que são exames baratos e feitos rotineiramente pelos ginecologistas.

Hoje comemoramos mais uma conquista importantíssima da luta da mulher

No dia 10 de março, essa Segunda, o Governo Federal Brasileiro lança a campanha de vacinação gratuita contra o HPV. Meninas de 11 a 13 anos serão vacinadas nas escolas e postos de saúde.

Nem a descoberta da vacina e nem essa intensa campanha que salvará a vida de milhões de mulheres seriam possíveis sem as conquistas dos movimentos feministas. O tabu matou muitas ao longo dos séculos, mas hoje, como resultado das lutas das mulheres, estamos todos um pouco mais livres dele e suas terríveis consequências.

Parabéns!

—-

* Jose Luiz Martino é o médico responsável pela OncoVitae. Também é oncologista no INCA e Ordem Terceira.

** Nos últimos 25 anos observa-se uma taxa de crescimento elevado de câncer de mama (cerca de 3% das causas de óbito no mundo), pulmão e intestino, o câncer de colo de útero permanece estável.

Sobre oncovitae

Clínica de oncologia em Botafogo, Campo Grande, Madureira e Tijuca - Rio de Janeiro. Consultas oncológicas, cururgia oncológica, quimioterapia, psiconcologia, nutrição oncológica. Convênio ou particular.

Deixe um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s